Loucurinhas da Adolescência 2

04/03/2011

O texto abaixo trata-se de ficção inspirada na minha adolescência (não me julgue, rsrs); saiu da minha cabeça em algum momento de extremo tédio, ou na espera do dentista, ou numa noite de insônia.
Se quiser colocá-lo no seu blog, fique à vontade, mas me dê os créditos.
www.piece-of-pixiie.blogspot.com

Ele me ignorou a semana inteira na escola, nem ao menos olhou na minha direção. Confesso que estava achando aquilo divertido, mas depois de um tempo começou a cansar. Eu sabia que ele me amava, apesar do pouco tempo juntos. E eu precisava tê-lo de volta.
Não comi direito a semana inteira. Em parte porque não sentia vontade, em parte porque queria parecer um lixo, para que Nicholas se compadecesse e me perdoasse. Sei que é totalmente imbecil, mas não queira entender uma menina de 15 anos sem cérebro.
Na sexta, eu não tinha forças nem consciência. Fui para a aula de Educação Física com meias marrons (marrons! Eca!!!) que catei rapidinho no varal do quintal, sem me tocar que elas eram do meu pai! Meu cabelo estava totalmente opaco_leia-se palha_, então tive que prendê-lo com um lápis, coisa que eu absurdamente abomino.
Na aula, não consegui convencer a professora de que eu não estava bem. E ela ainda fez o favor de falar que as minhas pernas eram boas para jogar futebol. Odeio quando mencionam minhas pernas em qualquer tópico. Cara, o que eu fiz para merecer pernas tão roliças? Nem posso usar meia-calça colorida sem parecer um cavalo fantasiado! Aposto que se eu tivesse talento para cantora de axé, teria no lugar dois palitos de dente.
Jogando futebol, esgotei minhas últimas energias. Nicholas estava jogando no meu time, mas me ignorou até nisso. Eu não corria, andava. De repente, estava com a bola lá atrás, só tinha que passar para ele, que estava mais perto do gol. Fácil. Só que na hora, eu simplesmente paralisei. Uma menina do time oposto veio e tomou a bola de mim. Senti que ia cair, vomitar... ou os dois!
Nicholas veio até mim gritando: "mas que porra, como você pôde perder aquele lan..." e depois: "Você tá bem?", então tudo escureceu.
Acordei na sala da diretora. Ela dizia algo como "mais uma dieta...", o que me fez refletir seriamente se eu precisaria de uma. Fiquei ali semi-morta por mais alguns minutos, até que um professor me levou em casa e eu assegurei-lhe que ficaria bem. Comi feito um búfalo quando pude, mas vamos pular essa parte.
Cerca de uma hora e meia depois, lá estava ele em minha porta. Exatamente como eu imaginei, com aqueles olhinhos brilhantes e preocupação estampada na cara de bebê. Me senti mal, por um instante.
_E aí, você está bem?_ fiz um sinal afirmativo._ Afinal, o que foi aquilo? Você não está fazendo dieta, está?
_Você..._ parei imediatamente de comer o bombom com recheio de avelã._ Você acha que eu preciso?
Nicholas ficou vermelho.
_Não!_ disse ele surpreso._ Por que vocês mulheres tem essas neuras idiotas?
_Mas eu ouvi a diretora dizendo que eu preciso...
_Ela não disse isso... Ela deduziu que você estava sem comer, e que deveria estar fazendo alguma dieta maluca, que você com certeza não precisa!_ ele estava sem fôlego.
_Eu não estou fazendo dieta.
_Então por que parou de comer?
_Porque eu queria desmaiar nos seus braços.
E foi exatamente o que houve, apesar de eu não ter planejado os detalhes. Nicholas sorriu.
_Não, falando sério...
Ele riu mais uma vez, mas o sorriso se desfez quando ele viu que eu permanecia séria.
_Você está brincando, né?
Eu sei que eu perdi o pouco de dignidade que me restava. Mas eu torno a dizer que não queira entender uma menina de 15 anos sem cérebro.
_Você tem noção..._ ele estava perplexo._ Tem alguma noção do que é responsabilidade, garota?
_De que isso importa?
Toquei seu braço, mas ele se afastou bruscamente.
_Nick, me perdoe...
_Você acha fácil! Mas tudo na sua vida é assim, basta bater o pé e fazer greve de fome que você consegue  que quer!
Ele se virou para ir embora, mas interrompi.
_Nicholas, só escuta. Você está certo. Sou mimada, sou presunçosa. Mas eu não te quero de volta apenas por capricho. Quero que você volte porque_ meus olhos começavam a arder, mas fiz um esforço para afastar as lágrimas._, porque você me ama, e eu te amo. E você me disse, Nicholas, eu me lembro do dia que você disse que só ia terminar comigo quando não amasse mais.
Ele permaneceu parado, me olhando.
_Como posso amar alguém tão horrível como você?
E então foi embora e me deixou aos prantos.
Ele estava errado, não bastava eu bater o pé e fazer greve de fome para conseguir o que eu quisesse.

Loucurinhas da Adolescência - Parte 1

2 Comentários

Projeto Créativité disse...

Mon cheeer, a passatempo funciona assim:

Como funciona? Já que um texto com muitas imagens chama a atenção, é isso o que essa edição fará. Por exemplo, daremos um tema com 4 palavras, e você terá que fazer um texto contendo 4 fotos com esse tema.
Não pode ser uma foto só, é obrigatório conter quatro fotos.

Então, só acrescenta as 4 fotos, antes do horário de encerramento (18h), só coloca em ordem.

a foto da palavra lápis, ae embaixo coloca onde tem essa palavra, e por aí vai...

JGCosta disse...

Gostei do texto amiga, um barato!

Abraços renovados!